Todo blumenauense que estava vivo na última década lembra de uma dupla icônica de alemães da Vila Itoupava. Rudi e Willy, interpretados por pai e filho, Pedro Elizio e Felipe Elizio, foram personagens que fizeram sucesso com suas piadas e músicas com sotaque que não podia faltar. Eles chegaram a integrar uma parte do Jornal do Almoço, da NSC TV, antes RBS TV.

O sucesso não ficou só ficou em Blumenau, chegando a todo o Vale do Itajaí e até o litoral. Com inúmeros shows que esgotavam ingressos, a satirização dos trejeitos típicos da dupla durou 18 anos, passando em mais de 12 canais de televisão, com sete CDs gravados e cinco DVDs.

Por conta da pandemia de Covid-19, a dupla decretou o fim. Mas tanto o pai quanto filho estão com novos projetos e objetivos. O pai acabou estudando sobre bolsa de valores e hoje trabalha com day trading com o filho mais novo.

“Meu irmão já fazia isso, agora meu pai também está operando direto, bem profissional”, enfatiza Felipe.

Mas o filho não saiu da comédia. Agora com o personagem solo Willy Wurst, ele constrói uma nova carreira com a essência e experiência de tudo que já viveu. No momento, ele tem um programa de rádio ao vivo em Timbó, tocando músicas alemãs, fazendo piada e interagindo com o público nas manhãs de domingo.

“Acredito que tem mais o Felipe nesse novo personagem, porém sempre carregarei a essência das minhas origens e sempre honrarei meus pais. Mas, onde eu estiver, Rudi e Willy e também todos que trabalharam conosco ali estarão”, finaliza Felipe Elizio.

Marca

Juntos, eles conquistaram milhares de fãs e amigos que gostavam do trabalho humorístico. Rudi e Willy foi uma marca muito conhecida e divulgada, chegando a receber postêrs, CDs e revistas.

Ana Flávia, 20, guarda esses objetos autografados com muito carinho até hoje. Em entrevista, ela ainda comentou que ainda acha engraçado quando encontra eles.

“Eu era criança, mais ou menos em 2008, lembro que adorava ouvir eles. Colocava para tocar em casa pulando em colchão de mola. Tinha uns 7 anos eu acho”, comenta Ana Flávia.

História

O amor pela comédia e a vida de atores surgiu de forma sutil na família. O pai, Pedro Roberto Elizio, natural de Timbó acabou crescendo em Blumenau, onde era representante de vendas e corretor de imóveis. Já o filho, Felipe Roberto Elizio, nasceu em Indaial, mas cresceu no bairro Itoupava Norte, com o sonho de ser nadador profissional.

O amor pela comédia sempre esteve na família. Nas tradicionais festas, os parentes sempre gostaram de fazer piadas entre eles.

“O vô do meu pai, o meu ‘tatatatatara’ vô, já era uma grande figura engraçada, Pedro João Elizio de Indaial. Já tocavam gaita, todos faziam palhaçada, mas na brincadeira. Eu acompanhava e tocava um pandeiro”, comenta Willy.

Pedro estreou um programa na TV Galega em 1997 com suas primeiras formas de atuação e início na comédia profissional. Na época, seus personagens foram o ‘Repórter Alemão’ e o ‘Alemãozinho’.

“Surgiu o programa e ele explodiu, foi um sucesso de audiência, eu tinha 13 anos. Em 1998 já fizemos nosso primeiro show, lotamos o Teatro Carlos Gomes.”, reforçou.

Rudi Von e Wilibert

Apesar de ficar sempre na memória, a ideia do nome dos personagens só veio tempo depois. Enquanto ainda estavam na TV Galega, o pai decidiu adotar o nome “Roni Von, o repórter alemão sempre com as bobiças em primeira mão”. Para soar mais germânico, ele adaptou para Rudi Von.

Depois do Alemãozinho entrevistar um homem chamado Wilibert, que contava toda a história com muito humor, ele passou a usar aquele nome artístico. Daquele momento se criou o “Rudi Won e Wilibert”, tempo depois adaptado para “Rudi e Willy”, que soava melhor.

Fonte: O Município Blumenau

Comentários