Ao menos sete alunos morreram nesta terça-feira (11) em um tiroteio em uma escola de Kazan, cidade na região central da Rússia, onde as forças de segurança prenderam um jovem de 19 anos apontado como o atirador.

Outras 20 pessoas, 18 crianças e dois adultos, foram hospitalizadas, informaram as autoridades regionais à AFP. “Seis menores de idade se encontram em estado grave e na UTI”, disse o porta-voz do governo local, Lazat Jaydarov.

Imagens divulgadas por testemunhas nas redes sociais mostram crianças e adolescentes pulando pelas janelas do edifício de três andares para fugir do tiroteio. Outras imagens mostram pessoas ensanguentadas recebendo atendimento médico.

O número de vítimas fatais oscila entre sete e 11, de acordo com as fontes. O Comitê Nacional Antiterrorista anunciou sete mortes e a prefeitura de Kazan mencionou oito óbitos.

Os serviços de emergência, citados pelas agências TASS e Ria Novosti, afirmaram que 11 pessoas morreram – nove alunos – e 32 ficaram feridas.

“O agressor foi detido e sua identidade foi estabelecida. É um morador local, nascido em 2001”, afirmou o Comitê de Investigação da Rússia em um comunicado.

Uma investigação foi iniciada por “assassinato e as autoridades descartam no momento uma motivação de natureza “terrorista”, destaca a nota.

O presidente russo, Vladimir Putin, expressou pêsames às famílias das vítimas e ordenou uma revisão às regras de porte de armas no país, informou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

Este é o tiroteio mais grave em uma escola da Rússia desde 2018, onde este tipo de tragédia é relativamente raro e onde o controle de armas é estrito. Os incidentes violentos com estudantes, no entanto, aumentaram nos últimos anos.

O detido pelo tiroteio desta terça-feira tem 19 anos, informou Rustam Minnikhanov, presidente de Tatarstan, a república muçulmana russa que tem Kazan como capital.

“Ele tinha permissão para o porte de arma”, disse Minnikhanov. 

O jovem iniciou o ataque às 9H30 (3H30 de Brasília). Ele abriu fogo contra os alunos da escola N° 175, que, segundo informações oficiais, tem 1.049 estudantes e 57 funcionários.

De acordo com as agências Interfax, Ria Novosti e TASS, um segundo criminoso foi morto, mas o Comitê Nacional Antiterrorista e as autoridades locais não mencionaram outro suspeito.

“Ouvimos uma explosão dentro da escola e observamos muita fumaça”, disse uma testemunha, citada pela Ria Novosti.

“Estava na aula, ouvi uma explosão e depois tiros”, disse uma professora.

Kazan, cidade de mais de 1,2 milhão de habitantes, fica 700 quilômetros ao leste de Moscou.

FONTE: NSC TV

Comentários